Sexo

Ladrão vira escravo sexual

Um ladrão que tentou assaltar um salão de beleza em Meshchovsk, na Rússia, virou vítima. A proprietária Olga Zajac, 28 anos, faixa preta em caratê, dominou Viktor Jasinski, 32 anos, e o transformou em escravo sexual por três dias.

Segundo reportagem publicada no jornal australiano “Courier Mail”, Olga manteve o ladrão preso e nu em seu salão. Ela decidiu fazer sexo com o ladrão para lhe dar uma lição. Depois de três dias, a cabeleireira o liberou.

Ao ser solto, Jasinski foi ao hospital, pois estava com os testículos inchados, e, em seguida, à polícia, onde ele explicou que tinha sido mantido refém pela cabeleireira, que o teria forçado a tomar viagra.

Olga admitiu à polícia que fez sexo com o ladrão algumas vezes, mas destacou que lhe deu comida e dinheiro. Ambos foram presos. O caso é antigo, teria ocorrido em 2009, mas somente agora foi divulgado pela imprensa australiana.


Seletividade Feminina – Quem escolhe o parceiro é a MULHER!!!

Muito se ouve falar que na hora da conquista, quem tem o potencial de atrair o parceiro é a mulher. Mas será que é isso mesmo?

Quem nos responde esta enigmática pergunta é a Escola do Feminino (www.escoladofeminino.com.br). “Tradicionalmente é a mulher que escolhe o homem”, afirma Chekes iLLa, diretora e fundadora da Escola do Feminino no Brasil. “O fato da mulher escolher o parceiro não quer dizer que ela sempre acerta nas suas escolhas”, completa.

E para não amargar um relacionamento desastroso ou não compatível, a Escola do Feminino, de São Paulo, dá algumas dicas sobre as escolhas e a seletividade feminina.

  • A mulher deve escolher o homem que tenha as mais fortes qualidades humanas e masculinas;
  • A mulher deve esquecer essa história de ‘ser a escolhida’ pelos homens ou de aceitar qualquer pretendente por falta de escolha. Quem escolhe é a mulher! Não tenha medo de ficar algum tempo sozinha;
  • A mulher escolhe o pretendente, e o atrai através do seu encanto e magnetismo (natural ou adquirido em uma escola para mulheres, por exemplo). Ela deve fazer o homem agir no ato da conquista. Isso reforça a natureza masculina do homem chegar, mas quem na verdade fez a escolha foi a mulher!. Ela parece passiva, mas está ativa internamente com uma superfície passiva. É o homem que, normalmente, deve vir, se arriscar, lutar por ela. O homem torna-se passivo internamente mas ativo na superfície. Este é o ponto exato!
  • A mulher para escolher o parceiro mais assertivo deve ter uma sensibilidade desenvolida, identificando o homem com maior afinidade com ela. A mulher pode desenvolver essa sensibilidade através do conhecimento de fisionomias e tipos energéticos, que entre muitos aspectos sinalizam o tipo de vida que a pessoa leva, os fontos fortes e fracos da personalidade, etc. Assim, haverão menos chances de ter surpresas desagradáveis com o parceiro, e de ir dormir um príncipe e acordar com um sapo.

Como atrair um homem adequado

  1. Tudo começa pela escolha do homem (alvo). Homem fraco, interesseiro, bêbado não precisa de nenhuma arte, qualquer mulher pode conquistar e carregar nas costas depois (não é esse tipo de homem que devemos desejar atrair).
  2. Atrair um homem digno, forte e seguro vai exigir uma grande arte e que valerá a pena dedicar esforços.
  3. A mulher deve cuidar da sua imagem, criando uma imagem sensual sem ser vulgar, aprendendo a realçar seus pontos fortes. Escolha um ponto forte no seu corpo e invista nele. Podem ser os olhos, a boca, os seios, as pernas, os ombros – mas não tudo exageradamente ressaltado, opter por uma parte de cada vez!.
  4. Um forte componente de atratividade da mulher é o seu caminhar e seus gestos. Se ela caminha pesado, como um urso, ou como um boxeador, pode ser linda mas dificilmente provocará desejo em um homem refinado.
  5. Brincar com os olhares, não deve encarar o pretendente, mas também não ignorar, a justa medida entre hipnotizar e criar mistério.
  6. Jamais fale dos ex namorados, não critique o ex marido nem os homens em geral.
  7. Sinta e expresse prazer em tudo, ninguem se sentirá atraído por quem é incapaz de ter prazer na vida. Quem sente prazer pode dar prazer!
  8. Olhos brilhantes, alegria, leveza, sensualidade e mistério….quem resiste?
  9. Para homem fraco basta se atirar pois ele aceita qualquer mulher e mais ainda aquela que não lhe exige nenhum esforco, mas homem forte, digno, refinado gosta de ser o conquistador e pede que a mulher conquiste silenciosamente, sendo acaçadora mas fazendo com que ele pense ser caçador.
  10. Comunicacao inteligente, astuta, não tem nada mais sedutor para um homem, pois apenas sexo pode ser muito fácil para qualquer homem, mas mulher astuta, que o intriga, é uma raridade a ser conquistada.

Pesquisa afirma que pessoas poderosas traem mais

Quem trai mais: o homem ou a mulher? A resposta para esta pergunta costuma ser sempre a mesma.

Em coro, afirmamos que o sexo masculino é o mais infiel. Mas parece que as coisas estão mudando. Segundo pesquisa realizada pela Universidade de Tilburg, na Holanda, entre as pessoas que ocupam posições de poder, independente do sexo, o risco de traição é maior.

A pesquisa comandada pela equipe do professor Joris Lammers, foi realizada na internet com 1.561 profissionais adultos. Na amostra, 58% das pessoas exerciam funções gerenciais, 22% eram gerentes, 14% diretores e 6% ocupavam os cargos mais altos das empresas. O objetivo era medir força, pedindo aos participantes para indicar, clicando com o mouse, o quão poderoso eles achavam que eram.

O grupo de pesquisadores mediu também outras variáveis, como confiança, distância e percepção de risco no que tange a infidelidade. A conclusão foi que a relação entre poder e confiança é tão grande quanto a existente entre o poder e a infidelidade. Outra constatação é que entre as pessoas de altos cargos a traição não tem relação com sexo ou com o número de casos anteriores.

O terapeuta especializado em relacionamentos amorosos, Sergio Savian, concorda com a pesquisa e afirma que o resultado coincide com a observação que faz em seu consultório. “Homens e mulheres poderosos estão acostumados ao comando e fazer com que as circunstâncias e as relações aconteçam da forma que eles planejam.

Além disso, o poder torna o indivíduo mais atraente, magnético e isto facilita a conquista”, diz. “Na verdade, a sedução é um jogo de poder, quando o sedutor faz com que os alvos de sua sedução se rendam aos seus encantos”.

Sérgio acredita que o estudo tende a colocar a moral convencional em debate, pois a noção de que ninguém manda na vida de ninguém será maior e as pessoas passarão a tomar posse de sua própria sexualidade. “As relações não monogâmicas não serão mais predominantes no sexo masculino e com as mulheres ocupando cada vez mais funções de poder, os comportamentos tendem a se tornar unisex”, comenta. “Os homens, que estavam acostumados a deter o poder nas relações, têm agora que se adaptar ao novo comportamento feminino”.

Outra mudança de comportamento decorrente da pesquisa, na opinião do terapeuta, é o aumento da consciência por parte do sexo feminino, que deve abrir mão da hipocrisia e dos julgamentos para assumir uma atitude mais autêntica. “Durante muito tempo as mulheres acusaram os homens por seu comportamento infiel. Mas agora que experimentam a liberdade de agirem de acordo com sua vontade, transgridem as regras que elas mesmas defendiam até pouco tempo atrás”.
Savian finaliza defendendo que o poder independe de cargo ou função de comando. Seja no convívio familiar, no trânsito ou na internet, as pessoas querem ter o direito de opinar, de participar. “Vendo desta forma, podemos concluir que os indivíduos na sociedade atual têm cada vez mais noção de seu poder pessoal e, seguindo o raciocínio da pesquisa, todos estão mais propensos às relações não monogâmicas”.


Mulheres estão cada vez mais exigentes na busca do companheiro

“Se você escolher demais vai acabar sozinha”. Atire a primeira pedra quem nunca ouviu essa frase na vida ao reclamar que falta homem no “mercado”. Em tempos de namoros-relâmpago e sexo casual, escolher alguém para a vida todatem sido uma tarefa cada vez mais difícil.

Mas há gente defendendo que o problema não está na falta de pretendentes, mas sim na variedade, que deixa a mulherada cada vez mais confusa.

Segundo um estudo realizado por pesquisadores britânicos e publicado no jornal britânico “Biology Letters”, em março deste ano, quanto mais opções uma pessoa tiver para escolher um parceiroamoroso, maior a probabilidade de ficar sozinha. Para os autores da pesquisa, variedade é bom, mas em pequena quantidade, para que o cérebro possa assimilá-la com qualidade.

Para desenvolver o estudo foram entrevistados 1.870 homens e 1.868 mulheres em 84 eventos de “speed-dating”, os tradicionais rodízios de relacionamentos. Em grandes eventos, com participantes semelhantes, o número de propostas de encontro era de 123. Mas quando os pretendentes eram muito diferentes, o número caía para 88. Em pequenos eventos do gênero a média de 85 propostas caiu para 57 entre candidatos com características variadas.

Para o psicólogo Dr. Thiago de Almeida, especialista no tratamento das dificuldades nos relacionamentos amorosos e autor do livro “A Arte da paquera: inspirações à realização afetiva” (Ed. Letras do Brasil), questões biológicas ajudam as mulheres a ficarem mais seletivas. “Quando elas estão ovulando, tendem a escolher determinados tipos de parceiros, de preferência que tenham rosto simétrico e boa saúde reprodutiva”, explica.

A mulher mede a influência de um homem em sua vida a curto e longo prazos. Dependendo de seus objetivos, Dr. Thiago afirma que a seleção pode ser mais apurada. “Se ela está interessada em um relacionamento duradouro, procura alguém que possa somar e que lhe dê segurança, uma vez que os homens são mais volúveis na hora de escolher suas parceiras”, comenta.

E continua: “As mulheres são mais sensíveis. Elas querem alguém que faça companhia para ela, que pense em ter filhos, que lhe mande mensagens carinhosas e de suporte emocional e que pague um jantar – este ato prova que o pretendente tem condições de garantir a alimentação e a sobrevivência dela”, comenta. “Além disso, o homem é fértil praticamente durante toda a vida toda, diferente da mulher, que é desfavorecida com a idade. Este é um dos motivos pelos quais elas se tornam mais seletivas com o passar do tempo”, conta.

O psicólogo garante ainda que o corpo escolhe o parceiro ideal muito antes da cabeça. “Antes de beijar o rapaz, a mulher sabe se ele serve ou não. O cérebro se encarrega de identificar a famosa ‘química’ por meio do cheiro e do aspecto físico do parceiro. E depois pelo beijo, que nada mais é do que o reconhecimento do corpo do outro”, diz. “Tenho pacientes que dizem que um beijo bom tem gosto bom e que beijo ruim, sem liga, tem gosto de saliva”, descreve.
Os aspectos biológicos na hora de escolher o parceiro ideal nunca mudaram. O que mudou na verdade foi a cultura. Sabe aquela típica cena de desenho animado, na qual o homem dá com o tacape na cabeça da mulher e a leva para a caverna? Isso não tem mais sentido. Ou talvez nunca teve. “Por conta da maior liberdade conquistada, a mulher passou a ter o poder do veto. Se o homem quer, mas a pretendente não, o sexo ou o beijo não acontece. Este é um dos motivos pelos quais os homens estão aprimorando constantemente suas táticas de cortejamento”, esclarece.


SecondLove – site que incentiva a traição

Fugir da monotonia dos relacionamentos estáveis. Com esta temática, foi lançado no Brasil, o SecondLove, um site destinado às pessoas casadas que queiram flertar temporariamente com desconhecidos, receber mais atenção ou até conhecer os frequentadores da rede pessoalmente.

Grande parte dos usuários tem entre 35 e 55 anos, que, segundo Anabela Santos, porta-voz do serviço no Brasil, é o mesmo padrão de comportamento em todos os outros países onde o site já chegou. “A opção de ir além de um simples bate-papo virtual é de cada usuário. Em muitos casos, os nossos membros simplesmente gostam de flertar e compartilhar experiências. Dessa forma reduzem a monotonia que pode haver numa relação longa”.

Ao ser questionada sobre o incentivo que o site dá à infidelidade, Anabela declara: “Nós não obrigamos ninguém a se inscrever no Second Love. Nós acreditamos que os casais dos nossos tempos querem escapar da rotina e viver novas experiências. O problema é que, muitas vezes, essas fantasias são realizadas com alguém do grupo de trabalho ou do círculo de amigos, motivo pelo qual a maior parte dos casamentos termina”.

A idade mínima para fazer o cadastro é de 25 anos. As mulheres podem se inscrever gratuitamente no site, diferente dos homens, que pagam um valor de acordo com o plano contratado. Os preços promocionais são R$ 29,95 (um mês), R$ 119 (três meses) e R$ 168 (seis meses). Como o nome verdadeiro é mantido em sigilo, os usuários utilizam apelidos. Podem também colocar fotos e definir quais informações serão visualizadas. “A diferença é que SecondLove as pessoas estão na mesma situação. Assim, a abordagem é facilitada”, comenta Anabela.

Evitando polêmica, a porta-voz garante que a intenção do site não é incentivar a traição, mas sim dar uma “apimentada” na relação. Na opinião da antropóloga Mirian Goldenberg, esse serviço pode funcionar sim, mas para determinados tipos de casais. “Não dá mais para falar em relação no singular, as pessoas têm todos os tipos de fantasias e desejos. Portanto, pode ser que os apreciadores do swing ou do casamento aberto se interessem pelo serviço. Mas esses perfis não correspondem à grande maioria, nem aqui no Brasil e nem e outras partes do mundo”.

Mirian estuda relacionamentos há mais de 20 anos e garante que a fidelidade é o principal valor defendido por muitos casais. “Eles preferem não trair e permanecerem com a pessoa que escolheram e garantir a relação, apesar da diversidade que encontramos no mercado afetivo e sexual atual”. A antropóloga acredita também que serviços como o de SecondLove não são capazes de ameaçar a tradicional troca de alianças. “Nada põe fim ao casamento. Ele poderá ser reestruturado e as pessoas vão passar a procurar novas formas de se sentirem satisfeitas dentro dele. Mas ele nunca vai acabar”.

O serviço foi inaugurado em 2008, na Holanda e já conta com 180 mil membros. Na Bélgica são mais de 25 mil. E na Espanha, onde o site está disponível desde abril, já são 12 mil cadastrados. “Em Portugal o Second Love estará online no dia 1º de junho e nos parece também muito promissor”, diz. Para o Brasil, Anabela tem planos: “Esperamos transformar o SecondLove numa plataforma bem sucedida e confiável para os brasileiros. A segurança e o anonimato dos nossos membros são muito importantes para nós, bem como mantermos um nível elevado na qualidade e serviços.”


Dado preocupante (se liga mulherada!!)

Apenas 49% das mulheres admitem usar preservativos em novos relacionamentos (contra 55% dos homens). Apesar disso, 79% delas pagariam qualquer preço para manter a saúde. É o que mostra uma pesquisa realizada pelo Ibope Mídia sobre hábitos e comportamentos das brasileiras em relação a compras e saúde.

 O levantamento diz que 59% das brasileiras dizem que vão ao médico apenas quando se sentem realmente doentes. Esse número é menor do que entre os homens (64%) e a média da população (62%). A maioria, ou 80%, das mulheres do país acredita que é importante manter a forma física e 65% admitem que, de vez em quando, quebram a dieta pelo prazer de comer alimentos que não fazem bem à saúde.

Para piorar

Cerca de 50% dos homens que participaram de um estudo populacional estavam infectados com o papilomavírus humano (HPV, na sigla em inglês). O trabalho, publicado na revista científica The Lancet, analisou voluntários saudáveis de três países: Brasil, México e Estados Unidos. O resultado surpreendeu os especialistas, pois revelou uma prevalência muito maior que a encontrada em estudos semelhantes com mulheres, quando o porcentual de infecção pelo vírus não ultrapassa 20%.

Nos homens e nas mulheres, o HPV pode causar câncer, embora, nas mulheres, a evolução para displasias – quadro prévio ao tumor – seja mais comum. O contágio ocorre principalmente por via sexual, mas, ao contrário do HIV, o uso de preservativo não é tão eficaz.

O estudo analisou 1.159 homens com idades entre 18 e 70 anos. Todos estavam saudáveis ao ingressar no estudo, diz Luisa Villa, coautora do artigo e pesquisadora do Instituto Ludwig de Pesquisa sobre o Câncer e coordenadora do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia do HPV (INCT-HPV), na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Os voluntários não podiam relatar histórico de câncer no ânus ou no pênis, bem como a presença de verrugas genitais. Também não podiam apresentar infecção pelo HIV. Todos residiam na cidade de São Paulo, no sul da Flórida ou em Cuernavaca, no México.

“A maioria das pessoas pensa que HPV é um vírus associado predominantemente às mulheres: esse estudo revela que os homens são os principais infectados”, afirma José Eduardo Levi, do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, na USP. Levi não participou do estudo, mas há vários anos pesquisa testes moleculares para HPV.


Tamanho É ou NÃO documento?

 

Para os homens a frase é: ‘Tamanho É documento’. Para as mulheres a frase é ‘Tamanho NÃO documento’, mas e para a hora ‘H’, tamanho é ou não documento obrigatório? Segundo médicos especialistas no assunto. NÃO. O que importa mesmo e se o ‘dono’ do documento sabe ou não usá-lo!

Segundo o urologista e terapeuta sexual Celso Marzano, o tamanho do pênis é uma preocupação masculina e não feminina, pelo falso mito de que quanto maior o pênis, maior prazer proporcionará ao outro parceiro sexual. “Não é verdade, pois há um limite de tamanho que pode penetrar na vagina –  variável de 9 a 12 cm –  e com certeza haverá um incomodo e dor na sua penetração, o que é muito repudiado pelas mulheres. Geralmente dor e prazer não se encaixam bem entre os casais”, explica ele em sua página na internet (www.celsomarzano.com.br) esclarecendo ainda que o que faz a diferença na hora ‘H’, é a espessura do documento!

“A grossura do pênis pode interferir no prazer da mulher pois a sensibilidade maior na vagina ocorre nos primeiros centímetros a partir de sua abertura na vulva e o contato de um pênis mais grosso pode aumentar a sensibilidade”, disse.

Agora para decepção de muitas das minhas amigas leitoras é que a Teoria onde podemos identificar o tamanho do ‘documento’ pelo tamanho dos pés, mãos, nariz ….Segundo o urologista, não serve para a Prática!

“O mito de que observando o tamanho do nariz, da mão ou do pé do homem pode-se calcular o tamanho do seu pênis nada tem a ver. Estas idéias são mitos falsos e fazem parte da fantasia de homens e mulheres.  Na formação do embrião humano cada órgão ou parte do corpo tem uma origem diferente e não tem correspondência um com o outro.”

Mas existem alguns segredos de como medir o documento, que segundo o médico Maurício Garcia, pode vir a prejudicar os parceiros que estão acima do peso.

“A forma correta de medir o comprimento do pênis, é com este em ereção, a partir da base, sendo necessário comprimir a régua, ou qualquer instrumento de aferição, contra o osso púbico, e então medir o comprimento até a glande. Quem está acima do peso leva uma desvantagem, pois há mais gordura cobrindo essa parte escondida do membro”, explica Garcia, médico especialista em Trauma ortopedia e blogueiro do site Papo de homem.

“Passando então à questão do tamanho durante o sexo: Um pênis médio em ereção mede entre 12,5 cm a 17,5 cm. Não há definição universal aceita para um pênis anormal, mas para fins práticos, considera-se um pênis flácido de até 4 cm, e em ereção até 7,5cm, como pequenos.”

 Garcia afirma ainda que a interpretação das medidas deve ser feita da forma inversa a habitual, nesse caso, o menos é mais!  

“Se uma pessoa tem o pênis medindo 16,5 cm, então terá o membro maior que 90% da população brasileira, e menor que 10%. Se medir 13,5 cm, seu pênis será maior que 25% da população brasileira, e menor que 75%.Mais importante que o tamanho peniano, é a sua funcionalidade. É fato sabido que um membro avantajado tem maiores chances de sofrer disfunção erétil no futuro, devido à maior necessidade de sangue para manutenção da ereção, e o risco de precisar de tratamento é bem mais alto.”

Fontes:

http://papodehomem.com.br

http://www.celsomarzano.com.br